O Toque da Cura Energizando o Corpo, a Mente e o Espírito através da Arte do Jin Shin Jyutsu – Parte 8.4

Parte 8.4 – OS FLUXOS MEDIADORES DIAGONAIS

O princípio da atividade do corpo.

Embora os Fluxos Mediadores Diagonais direito e esquerdo não façam parte da Trindade, eles mantêm com ela uma relação muito importante que precisa ser levada em consideração. Os Fluxos Mediadores Diagonais direito e esquerdo começam no ombro respectivo, cruzam ambos os lados do corpo de trás para a frente, de um lado para o outro e de cima para baixo, e terminam no joelho do lado oposto. Eles harmonizam os Fluxos Supervisores direito e esquerdo entre si e com o Fluxo Central Principal.

O Fluxo Mediador é o que faz com que todos os fluxos do corpo cruzem no Central Principal para que possam receber constantemente energia vital revitalizadora da Fonte. Além disso, quando um lado do corpo fica tenso a ponto de afetar o outro lado, podemos usar um dos Fluxos Mediadores para restabelecer o equilíbrio entre os dois lados. Por ter essas funções, é de fundamental importância manter os Fluxos Mediadores em harmonia.

Capturar.PNG

“Eu estava com os sintomas de gripe – dores no corpo, febre e calafrios. Resolvi usar um Mediador de Fig 3.6 Fig 3.7 auto-ajuda na tentativa de cortar o mal pela raiz. Eu sabia que o Mediador era eficaz para aliviar a tensão do ombro, uma das causas básicas da gripe e dos resfriados. Meu ombro esquerdo estava muito rígido, e por isso mantive a mão sobre ele durante quase uma hora. Quando ele finalmente relaxou, a febre havia diminuído. Consegui dormir em paz durante toda a noite. Na manhã seguinte, ao despertar não havia nenhum sinal de gripe e ela não voltou mais”.

A fim de ressaltar a importância dos Fluxos da Trindade, vamos imaginá-los novamente como rios. O Fluxo Central Principal é o maior e mais importante, uma vez que ele é alimentado pela fonte original. Os Fluxos Supervisores direito e esquerdo são suas duas ramificações principais, desviando a água/energia do rio principal para as áreas ribeirinhas. Assim, quando mantemos o Central Principal fluindo livremente, seus dois braços principais recebem energia suficiente para também fluírem livremente. Quando esses dois braços principais fluem com abundância, por sua vez fertilizam e nutrem muitas outras funções importantes. Os Fluxos Supervisores abrigam as vinte e seis Travas de Segurança da Energia. Essas travas, que serão examinadas detalhadamente nos capítulos seguintes podem funcionar como pequenas represas. Quando um dos nossos rios de energia fica obstruído, acúmulos de energia começam a se formar. Utilizando essas vinte e seis travas de segurança da energia podemos eliminar essas obstruções e fazer com que a energia acumulada volte a incorporar-se ao fluxo geral de energia do nosso ser.


Fonte: Alice Burmeister e Tom Monte O Toque da Cura Energizando o Corpo, a Mente e o Espírito através da Arte do Jin Shin Jyutsu® Prefácio Mary Burmeister Tradução Euclides L. Calloni

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s